ESCOLA PAULISTA DE CIÊNCIAS MÉDICAS
(11) 5904 7334 / academico@epcm.org.br

Objetivo da Iniciação Científica:

Fornecer elementos, ferramentas e orientação para a cultura da pesquisa a alunos da medicina.

 

Docente: Titular da Disciplina de Gestão da Saúde da EPCM, Prof. Dr. Frederico Molina Cohrs

Carga horária:  32 horas

 

Orientandos 2019:

Iaçanã Novaes Teixeira - Faculdade das Américas

Ian Fidélis Santos - Faculdade das Américas

 

Benefícios ao fazer uma iniciação científica

Usando como base o artigo de revisão sobre a iniciação científica no Brasil realizado por Luciana Massi, pós-doutoranda da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP), e Salete Queiroz, professora do Instituto de Química da USP de São Carlos, vamos apresentar algumas das vantagens de se investir em uma IC na graduação.

 

Iniciação científica aumenta o desempenho acadêmico

Segundo a revisão realizada pelas autoras sobre a iniciação científica, a maioria das pesquisas destacam que os bolsistas de IC, ou seja, quem consegue manter dedicação exclusiva com incentivo à pesquisa, apresentam os melhores coeficientes de rendimento de suas turmas durante a graduação.

Mesmo que em muitas avaliações para obter a bolsa conste como pré-requisito um bom desempenho acadêmico, a revisão apresenta o argumento de que os alunos de iniciação também conseguem desenvolver novas formas de aprendizado durante a pesquisa, unindo as pontas entre pesquisa e ensino.

A revisão ainda destaca que esse novo ambiente acaba motivando mais os alunos a também se dedicarem nos estudos em sala de aula, já que eles aprenderam formas dinâmicas e diversificadas de estudo, além de reconhecer que as disciplinas podem colaborar em novos caminhos na pesquisa.

No levantamento de Massi e Queiroz, elas relatam que há descontentamento entre alunos de graduação sobre seus cursos devido ao excesso de conteúdo sem muita visão sobre seus “significados” ou usos na profissão, além da maioria das aulas serem expositivas. Ao iniciar uma IC, muitos alunos têm contato com laboratórios ou com um formato diferente de aprendizado que permite o aumento de motivação em seus cursos também.

 

O desenvolvimento pessoal e profissional gerado pela IC

A maioria das pessoas associam a iniciação científica como um caminho a ser seguido somente para aqueles que têm pretensão de seguir carreira acadêmica, o que não é bem verdade.

No sentido acadêmico, realmente parece que o aluno que realiza IC tem mais chances de ingressar em um mestrado e doutorado, tanto que existem estudos do MCTIC apontando que o aluno de IC tem mais chances de concluir uma pós-graduação do que o colega que não teve a vivência, justamente por ter uma experiência prévia em pesquisa. Porém, os conhecimentos adquiridos também são úteis para quem for atuar direto no mercado de trabalho tradicional, que também exige criatividade, dinamismo e raciocínio rápido para encontrar soluções a diferentes problemas.

Nessa mesma linha, a revisão usada como base neste texto apresenta estudos indicando que a IC permite o amadurecimento do pensamento crítico, autonomia, criatividade e senso de responsabilidade no aluno, sendo contribuições importantes tanto no aspecto pessoal quanto profissional, mesmo que o aluno não siga a carreira acadêmica.

Isso acontece porque, ao desenvolver um projeto, o aluno de IC precisa dar retorno das atividades que estão sendo feitas e dos resultados parciais e finais dentro dos prazos, sendo necessário organização para construir suas descobertas e análises.

A exposição dos resultados das atividades também pode motivar e dar segurança aos alunos, visto que a participação de congressos e encontros acadêmicos demanda debates públicos entre os participantes, conforme relatam Massi e Queiroz: “a atividade promove a autovalorização e autoestima do bolsista, reconhecida por ele, no olhar do outro, projetada no outro’.”

 

O edital 2020 para novas vagas será divulgado em 01.12.2019