ESCOLA PAULISTA DE CIÊNCIAS MÉDICAS
(11) 5904 7334 / academico@epcm.org.br

Por Dr. João Paulo Nogueira Ribeiro*

O que dizer no dia mundial do idoso? Que temos respeito e admiração por quem consegue vencer os desafios da vida e alcançar a longevidade. Que agradecemos pelos exemplos de vitória e pelos de insucesso que podem evitar tantas tristezas.

Mas, mais do que dizer, devemos ter o compromisso com as ações. Respeitar as limitações que vão acometer a todos, em velocidades e formas diferentes. E entender que a outra possibilidade encurta nossas vidas. 

Enquanto sociedade (pode até parecer lutar pela própria causa, pois todos queremos chegar lá) precisamos nos organizar para fazer o ambiente menos hostil e mais acolhedor. Mas a mudança precisa ir lá das construções, regras e melhorias urbanas, precisa atualizar nosso jeito de pensar. E por que atualizar? Porque o envelhecimento e o aumento da longevidade ainda são fatos relativamente recentes no Brasil. Segundo o IBGE hoje a população de idosos é de aproximadamente 30 milhões e em 2050 será algo em torno de 68 milhões. Já parou para pensar nisso? Já refletiu no que você pode contribuir para que a mudança de hoje te acolha amanhã? 

Tenho a felicidade de me encontrar, poder aprender e conviver com pessoas bastante longevas. Um dia destes ouvi de uma senhora de 93 anos: "olhe, não vejo grandes problemas com o envelhecimento... consegui me adaptar ao longo do tempo. Uso óculos e me viro bem sem a prótese auditiva. Tomo minhas medicações todos os dias e sou muito disciplinada com minhas atividades físicas. Ah, aqui vale um conselho: mantenha-se sempre ativo... cair pode ser uma catástrofe nesta idade. Quando se vive bastante se experimenta bastante também. Se acerta um pouco e erramos um monte! Vi a luz elétrica aquecer a água do meu banho, o telefone matar a saudade de alguém que está longe e a TV que mostra lugares lindíssimos. Sei até mandar um zap zap! Mas ao reconhecer e valorizar que o caminho é o que importa e não só o final, percebi uma outra forma de levar as coisas. Dou menos importância para aborrecimentos, valorizo mais as coisas simples do dia a dia que estão em minha volta e sou encantada pela convivência com as pessoas... as pessoas... a perda delas é a grande dor para quem vive muito. Conversar é tão bom, né?"

E foi também um outro idoso que me disse: "valores humanos não têm idade, respeite, compreenda, ensine quando puder e aprenda sempre que possível com todos que estão ao seu redor."

Preciso dizer algo mais? Parabéns pelo dia do idoso!

 

* Dr. João Paulo Nogueira Ribeiro cursou Medicina em Itajubá, Clínica Médica pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de SP, Geriatria – HCFMUSP, MBA em Economia e gestão de saúde – UNIFESP.  É Mestre em Ciências – UNIFESP, Fellow Ashoka e Assistente da disciplina de Medicina de Urgência Baseada em Evidências – UNIFESP.

 

 

 

Parceiros

  • UNISA
  • SBCM
  • Unifenas
  • Abramurgem
  • BCRI
  • hmasp
  • Marjan
  • TV MEd
  • harvard